.Prefeitura de Hidrolândia

.Prefeitura de Hidrolândia

sábado, 17 de fevereiro de 2018

DISCURSO DE ÁLVARO DIAS PODERÁ EMPOLGAR O BRASIL



Na foto: o senador Álvaro Dias e o juiz Sérgio Moro


POR : WALTER BRITO

Após o carnaval, o nosso país terá mais dois grandes momentos de muita emoção no ano que principia: a Copa do Mundo e as eleições do mês de outubro, quando serão decididos os nossos destinos. Por meio da palavra fácil, com o plano de governo na ponta da língua e praticamente pronto, o senador Álvaro Dias (Podemos-PR) recebeu a reportagem do Diário da Manhã, quando mostrou, com todas as letras, que sua candidatura é pra valer!
Sua experiência administrativa como governador do Paraná, além de sua atuação na vida pública por mais de quatro décadas e, sem máculas, certamente o credenciam a pleitear a presidência da República com chances reais de ir para o segundo turno e até vencer a disputa. Combatente da corrupção que tomou conta do país nos últimos anos, o presidenciável luta contra o foro privilegiado e não admite que o país seja de brasileiros de primeira e segunda classe. Ele complementa afirmando que a justiça tem que ser igual para todos: para o peão de obra e também para o presidente da República.
No seu discurso construído de forma cuidadosa e com um português escorreito, o senador paranaense diz que as reformas essenciais são fundamentais para o desenvolvimento pleno da nação brasileira, tais como a previdência social, tributária e educacional. Em seu entendimento, a economia tem que crescer à medida em que se dá a distribuição de rendas. Desta forma favorecerá efetivamente todos os segmentos de nossa sociedade. Veja abaixo a entrevista com o paranaense, que acredita numa vitória semelhante à de Davi contra Golias.
Perguntamos ao senador Álvaro Dias sobre a receptividade de suas andanças Brasil afora com vistas ao pleito de outubro de 2018. Ele não titubeou e respondeu de pronto: “Estamos preocupados com a postura que deve ser adotada, pois o povo brasileiro já sofreu demais. Sofreu com a corrupção que se alargou com a incompetência do governo. Hoje o povo espera uma alternativa que possa significar a recuperação de suas esperanças. Alternativa que possa reviver a fé perdida durante esses anos de corrupção e incompetência. É grande a responsabilidade e nós não podemos frustrar mais uma vez a população. Por isso, estamos preocupados, em primeiro lugar, em apresentar como patrimônio a nossa trajetória e como fizemos. Pretendemos mostrar para todo o país qual foi o nosso desempenho na administração do Estado do Paraná. É evidente que para governar o país é preciso ter experiência administrativa”, disse.
Continua Álvaro Dias: “A população é sábia e, nas pesquisas de opinião, fica patente que é preciso ter experiência administrativa e passado limpo. Isto é mais importante que as propostas. Você pode observar aqui na minha mesa de trabalho, que estes enormes volumes de papel encadernados são parte de nosso projeto. Estamos elaborando com muita atenção um plano de governo para apresentar nossas propostas ao povo brasileiro. Os referidos volumes são subsídios para um projeto que atendam aos clamores da população nos quatro cantos de nosso país. Com isso, vamos chegar à opinião pública com o que dizer. Vamos contar para o Brasil o que nós pretendemos fazer se chegarmos à presidência da República. Esse tem sido o nosso trabalho, no inicio de pré-campanha eleitoral”, arrematou Álvaro Dias.

ÁLVARO DIAS DESAFIA COLLOR E BOLSONARO

Dissemos para o presidenciável que Fernando Collor lançou sua pré-candidatura no plenário do Senado, quando falou de forma clara sobre a mão pesada do Estado na segurança pública. O mesmo tema é o carro-chefe do projeto rumo ao Palácio do Planalto do também presidenciável Bolsonaro, que defende com unhas e dentes a segurança pública, inclusive sugerindo que o cidadão ande armado. Álvaro Dias contra-atacou: “Não basta falar apenas que vai botar a mão pesada na segurança pública e que o povo precisa necessariamente de andar armado. Onde estão suas propostas? Até agora eu não vi a apresentação de propostas de nenhum dos dois pré-candidatos para a segurança pública, nem dos demais pré-candidatos. Acredito que quem apresentar propostas, dizendo o que tem que fazer, precisa dizer também como vai fazer. Dizer de onde virá o dinheiro, pois sem dinheiro ninguém fará nada pela segurança pública. É preciso dinheiro para equipar as polícias; é preciso dinheiro para preparar e classificar tecnicamente os profissionais da segurança pública; é preciso de dinheiro para remunerar bem a polícia, pois polícia mal remunerada não será uma polícia eficiente”, declarou.
O senador toma um copo com água, conserta a garganta e continua: “Onde se vai buscar o dinheiro, pois o caixa do Tesouro Nacional está vazio. Falar em segurança pública começa em Brasília com a refundação da República. Esta é minha proposta! Nós temos que refundar a República promovendo uma grande reforma no Estado, enxugando o Estado. Desta forma os chupins da República estão consumindo toda a receita do País e não sobra dinheiro para a segurança pública. Neste sentido, eu aprovei um projeto no Senado, que está na Câmara, parado. O referido projeto obriga a aplicação integral dos recursos do orçamento na segurança pública, sob pena de crime de responsabilidade sujeito ao ministro da Justiça e ao presidente da República. Este projeto está parado estrategicamente na Câmara e nunca é aprovado. Portanto, recurso é fundamental e é evidente que depois temos que trabalhar o aparelhamento do Estado para defender o cidadão. No meu entendimento, temos que armar é o Estado para ele defender o cidadão, sem prejuízo do uso de arma. Claro, quem quiser usar uma arma, certamente vamos flexibilizar essa legislação para permitir o uso correto de uma arma. Contudo, quem não puder se armar, como fazer? – São 52% da população abaixo da linha da pobreza. A maioria dos brasileiros não tem sequer dinheiro para comprar alimentos e remédios. Por isso, nós temos que armar o Estado. O Estado tem que defender ricos e pobres”, disse o senador.

A PROBLEMÁTICA DO DESEMPREGO

Indagamos o presidenciável sobre a falta de emprego no Brasil, onde o povo é trabalhador e ordeiro, mas falta trabalho. Perguntamos como resolver o problema de imediato. O paranaense não pensou duas vezes e completou: “Também o início é solucionado em Brasília e com a refundação da República. Todas as reformas necessárias precisam ser implementadas. A reforma tributária, o sistema federativo, a reforma da previdência e a reforma da educação. Todas essas certamente são reformas essenciais que vão alavancar o progresso e o desenvolvimento com geração de emprego e renda. A reforma tributária, por exemplo, é um instrumento poderoso para a geração de empregos. Se reduzirmos a carga tributária, a economia vai crescer mais. Com o crescimento da economia, indiscutivelmente vai gerar a oportunidade de trabalhos e salários. Obviamente, o governo vai arrecadar mais com a população pagando menos impostos, portanto a receita será maior. Por isso é uma reforma essencial. Quando se fala em política econômica e geração de empregos, a reforma tributária é fundamental”, arrematou.

ÁLVARO DIAS EXIGE O FIM DO FORO PRIVILEGIADO

Perguntamos para Álvaro Dias o seguinte: O Brasil nunca passou por uma limpeza tão grande como a da Operação Lava Jato, que se arrasta desde março de 2014. Na sua opinião, a Lava Jato está chegando ao final e seu papel foi cumprido? – Ele disse sem pestanejar: “Está cumprindo exemplarmente o seu papel, mas falta algo para complementação, ou seja: o fim do foro privilegiado. A manutenção do foro privilegiado ao final vai deixar uma sensação de impunidade, pois muitas autoridades não serão sequer julgadas. As ações prescreverão e a impunidade derrota a justiça! Para comemorar o surgimento de uma nova justiça no Brasil, nós precisamos de acabar, já, com o foro privilegiado. O meu projeto foi aprovado no Senado. Se a Câmara aprovar o fim do foro privilegiado, a Operação Lava Jato será um sucesso retumbante, pois as autoridades com mandato também poderão ser presas e responsabilizadas civil e criminalmente, e colocadas na prisão”, completou Álvaro Dias.

A PRISÃO DE LULA!
Questionamos o presidenciável sobre a possível prisão de Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pelo TRF-4 em segunda instância. Perguntamos o que acha se, no caso de prisão, ela ocorrerá breve ou se vai demorar – De forma pausada, o senador argumentou: “A legislação manda a prisão do Lula ser efetivada e nós temos que respeitar. Se nós advogamos o estado de direito, obviamente temos que respeitar a legislação vigente. A procuradora-geral da República Raquel Dodge, no dia de ontem, 14/02, encaminhou ao Supremo o seu parecer contra o habeas corpus que tenta impedir a prisão do ex-presidente Lula. Ela foi taxativa e disse que condenado em segunda instância tem que ir para a prisão. Dodge disse mais, que a prisão do ex-presidente Lula extingue a constrangedora distorção existente na legislação do processo penal. Portanto, se nós queremos consolidar o processo democrático em respeito ao estado de direito, temos que cumprir a legislação, e ninguém está acima da lei, mesmo sendo um ex-presidente da República”, disse.

A ECONOMIA E A DISTRIBUIÇÃO DE RENDAS

Outro questionamento da reportagem foi sobre economia e perguntamos: ‘Muitos analistas falam sobre o crescimento econômico priorizando o social. Qual sua opinião sobre o assunto? De forma professoral o senador paranaense opinou: “É evidente que houve uma época em que se advogava o crescimento do bolo primeiro, para depois dividi-lo. Foi na época do ex-ministro da fazenda Delfim Netto. Hoje nós temos que trabalhar com as duas vertentes: o crescimento da economia e a distribuição de renda. Neste caso, eu volto à reforma tributária, que é um instrumento poderoso de distribuição de renda. Nós podemos fazer a economia crescer distribuindo renda, por meio do imposto de renda. Nós podemos reduzir e enxugar o sistema tributário. Temos mais de 70 itens entre taxas, impostos e contribuições sociais. Podemos criar o imposto de movimentação financeira, extinguindo todas as siglas de impostos e adotar o imposto de renda só para os ganhos mais elevados. Com isso, nós vamos distribuir rendas, fazer justiça social e obviamente reduzir o preço dos produtos. Ao reduzir a carga tributária, vamos reduzir o preço dos produtos que são consumidos. Certamente a arrecadação não sofrerá prejuízo, pois continuará inteira e poderemos trabalhar uma alíquota para o imposto de movimentação financeira, que corresponda às necessidades atuais. Neste caso, todos pagarão. Quem ganhar mais pagará mais e, quem ganhar menos pagará menos. A economia crescerá mais e o governo arrecadará muito mais. Isto é essencial e poderemos promover uma política efetiva de distribuição de renda”, ensinou Álvaro Dias.

A LUTA DE DAVI CONTRA GOLIAS

A pergunta seguinte para o presidenciável do Paraná foi sobre coligações:
Apesar de ser um importante debatedor no Congresso Nacional, o senhor pertence a um partido pequeno e com pouco tempo de rádio e televisão. O senhor conseguirá unir partidos para ampliar o seu espaço nos meios de comunicação, que permitam ao senhor mostrar seu projeto para todo o país antes do dia da eleição? Ele já tinha a resposta na ponta da língua: “Estou tentando quebrar paradigmas. O lógico para ganhar uma eleição presidencial é ter uma ampla coligação e estruturas alargadas. Nós  pensamos diferente e achamos que o eleitor está muito mais ligado do que antes e certamente vai dispensar os intermediários. Ao nosso ver será estabelecida uma relação direta do eleitor com o candidato. Desta forma, as estruturas perderão para o conceito, para a imagem, para a postura e para as propostas também; sobretudo, para o histórico e o passado vivido. Eu acredito firmemente que a nossa história nesta eleição será como a de Davi contra Golias. É isso que poderá acontecer! Davi derrotou Golias e, nesta eleição um candidato de um partido menor, mas com o passado limpo e preparo para governar, poderá derrotar candidatos com amplas alianças, mas que não têm o histórico que o povo almeja. Neste sentido, a população está atenta e sabe que o bolo fica muito pequeno para todo mundo comer. Se todos estão do lado de lá: os políticos tradicionais, os partidos poderosos, entre outros; a população poderá vir para o lado de cá, pois ela é inteligente! Estou apostando na inteligência das pessoas, e precisamos substituir este sistema, ou seja: o sistema das coligações ampliadas que têm custado muito caro ao Brasil pelo fato de elas serem construídas na base do toma lá, dá cá! Vale lembrar que o loteamento de cargos puxa para baixo a qualidade da gestão. É por isso que o Brasil está mal. Nós esperamos que a nossa comunicação forte, coerente e verdadeira mude o tradicional pelo necessário e melhor. Se houver a possibilidade de uma coligação menor, com partidos que aceitem as novas propostas de mudança, o rompimento com o sistema atual, aceitaremos os novos companheiros. Não vamos negociar nossas convicções e não vamos alterar nossas propostas”, argumentou o presidenciável.

PALAVRA DE ESPERANÇA PARA OS BRASILEIROS

Ao final, pedimos que Álvaro Dias enviasse por meio da reportagem do Diário da Manhã uma palavra de esperança para o povo brasileiro. Ele não perdeu tempo e finalizou: “Eu vou aqui ressuscitar a canção de Raul Seixas: ‘Tenha fé em Deus, tenha fé na vida, e tente outra vez.’ A decepção é grande, a desesperança campeia, mas é preciso reviver a fé perdida. É preciso ressuscitar as esperanças que foram sepultadas. É preciso caminhar esse caminho difícil de caminhar, mas que vai nos levar ao futuro. Nós temos que trabalhar a coesão na busca de um destino, um destino melhor para o Brasil. Acho que temos que ter esperança”, concluiu Álvaro Dias.
Percebemos que a pré-campanha do ilustre senador e ex-governador do Paraná está sendo construída tijolo por tijolo, ou seja: devagar e sempre! O governadorável carioca, o senador Romário de Souza Faria, é sem dúvidas umas das estrelas do time que o presidenciável quer formar. O baixinho da pequena área e ex-jogador da Seleção Brasileira está levantando a poeira no estado onde foi decretada a intervenção pelo presidente Michel Temer. Na última pesquisa de opinião para governador do Rio de Janeiro, o ex-atleta é o primeiro colocado com 15,5% de intenção de votos, enquanto que o ex-prefeito César Maia, pai do presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia, tem 10,2%. O terceiro colocado é também outro ex-prefeito, Eduardo Paes com 9,2%, entre outros com menor expressão.
O prefeito de Betim-MG, Vittorio Medioli, conhecido por seu fabuloso poder econômico, é outro que integra a seleção de craques que está sendo formada pelo técnico Álvaro Dias. Em Brasília, o partido de Álvaro Dias está bem estruturado e poderá surpreender. O deputado distrital Rodrigo Delmasso tem tudo para ser um dos mais votados para o parlamento distrital. Por outro lado, a empresária e ex-deputada Eliana Pedrosa, filiada ao Podemos, trabalha diuturnamente para viabilizar sua candidatura rumo ao Palácio do Buriti e fazer palanque forte para Álvaro Dias no DF. O ex-senador e ex-ministro do TCU, Valmir Campelo, filiado ao PPS do DF, está de malas prontas para jogar na linha de frente do projeto de Álvaro Dias em Brasília e no Brasil. Estiveram também com o senador paranaense o deputado federal Izalci Lucas e o deputado distrital Robério Negreiros, ambos do PSDB. Tudo indica que os tucanos poderão desembarcar como atacantes do time dos sonhos de Álvaro Dias. Desejamos sorte ao senador paranaense!

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

CANDIDATURA DE COLLOR QUALIFICA O DEBATE RUMO AO PLANALTO

Alagoano Fernando Collor entra na disputa pela presidência da república pela segunda vez.



Por: Walter Brito
O ex-presidente Fernando Collor de Melo (PTC), confirmou sua pré-candidatura à presidência da República, por meio de um discurso contundente ocorrido na terça-feira, dia 6 de fevereiro no plenário do Senado. O pronunciamento foi feito com muito cuidado e farto em detalhes estratégicos, quando o político alagoano teceu comentários sobre os seus dois anos e meio como presidente do Brasil. Na oportunidade ele lamentou ter sido apeado do mandato, que foi legitimado pelo povo. O seu afastamento da presidência da República, ocorreu no dia 29 de dezembro de 1992.
Collor indicou no seu discurso, que o país não aguenta mais extremos: nem da esquerda e nem da direita, o que é um recado claro para Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolssonaro (PSL). O primeiro, deverá herdar naturalmente parte dos votos do ex-presidente Lula, que foi condenado em segunda instância pelo TRF- 4. Por isso, dificilmente o ex-presidente levará à frente sua tão comentada disputa eleitoral em 2018. O segundo, o militar da reserva Jair Bolssonaro, que lidera as pesquisas com a ausência de Lula, poderá perder o encanto após a saída de seu contraponto, que era o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Bolssonaro tem como carro-chefe de seu projeto no embate eleitoral do mês de outubro, o combate à violência. Neste sentido, Fernando Collor fez referência em seu discurso, em alto e bom som: “A mão pesada do Estado na segurança pública”, uma das prioridades no novo projeto do presidenciável.
O ex-presidente colocou ainda de forma estratégica em seu discurso, que venceu uma eleição disputadíssima, oportunidade em que participou um número enorme de candidatos: “Em 1989, quando concorri e venci a primeira eleição direta para presidente da República após o período de regime militar, apresentaram-se 22 candidatos ao posto – um recorde de concorrentes até hoje não superado. Mas havia justificativa para esse acirramento, por ser o primeiro pleito após um longo período em que ao povo foi negado o direito de escolher seu mandatário maior. Era ainda um período ao mesmo tempo turbulento na economia brasileira, e também de grande expectativa na vida política do país. Sob uma nova constituição federal discutida e votada com ampla participação da sociedade - e num mundo que vivia o fim da bipolarização da Guerra Fria, a sociedade brasileira mostrava-se ansiosa, com, e pelos novos tempos”. Disse.
Vale lembrar que o Brasil de hoje é parecido com o Brasil de 1989 em diversos aspectos. Hoje o país enfrenta uma de suas piores crises. O índice de desemprego é um dos maiores de nossa história. É certo que a economia nos últimos meses deu uma respirada, mas o povo sofre com as consequências da instabilidade política e econômica, cujo cenário é dominado pela Operação Lava Jato, que se arrasta desde o dia 17 de março de 2014. A referida operação levou para a prisão figurões do país que ninguém ousou imaginar que ocorreria um dia. Foram ao todo 198 prisões, entre as quais cinco políticos importantes. O próprio ex-presidente Lula foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão. Ele luta por meio de habeas corpus preventivo para não ser preso. A Operação Lava Jato já recuperou para o Brasil, mais de 4 bilhões de reais desviados dos cofres públicos.
Em vistas disso, o ex-presidente Collor, que se apresentou como pré-candidato ao Palácio do Planalto no final de janeiro pela rádio 96 FM, de Arapiraca-Alagoas e confirmou seu projeto no dia 6 de fevereiro no Plenário do Senado em Brasília, ele terá como parceiros na disputa presidencial, 14 pré-candidatos, cujo número poderá ser aumentado após às convenções partidárias. Entre os debatedores de um novo modelo para o Brasil, o Collor provavelmente se destacará por meio de seus argumentos contundentes. Entre um debate e outro, ele terá a oportunidade de resgatar sua história, que foi manchada com o impeachment que o tirou do poder. O senador alagoano com sua verve afiada, seu preparo intelectual e sua experiência adquirida ao longo de 40 anos de vida pública, sem dúvidas poderá surpreender o Brasil novamente, pois como dizia José de Magalhães Pinto: “A política é como uma nuvem. Você olha e ela está de um jeito; olha de novo e ela já mudou.”  O discurso de Collor no Plenário do Senado ontem,  mostrou que o senador alagoano, detentor do mandato até 2022, está no jogo e, dará suas cartadas de forma forte e equilibrada, bem diferente do tempo em que se elegeu presidente do Brasil, aos 40 anos de idade.
Entre os presidenciáveis, que ao lado de Collor classificarão o debate, destacamos o senador pelo DF Cristovam Buarque (PPS); o experiente governador de São Paulo, Geraldo Alckimin (PSDB); o candidato do PDT Ciro Gomes; Marina Silva (REDE) e Álvaro Dias (PODEMOS). Nesta linha, acredito que Jair Bolssonaro, caso participe dos debates perderá preciosos pontos, pelo seu desconhecimento de forma efetiva dos problemas do Brasil, especialmente na questão econômica, cuja matéria ele já demonstrou fragilidade em diversas entrevistas, inclusive, o básico em economia!  Por isso, Bolssonaro deverá ser orientado pelos seus marqueteiros para não participar dos debates com os demais postulantes ao Palácio do Planalto. Não se sabe, se ele conseguirá ficar fora, pois as redes sociais falarão alto no período eleitoral. Como um dos ícones produzidos pela internet, certamente Bolssonaro atenderá os ditames das redes e das ruas.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/01/1954614-ex-presidente-collor-estreia-na-pesquisa-com-rejeicao-alta.shtml


Ressaltamos ainda, que Bolssonaro lidera as pesquisas sem a participação de Luís Inácio Lula da Silva. O militar tem 18% de intenção de votos, enquanto que Fernando Collor de Melo, que lançou oficialmente sua pré-candidatura no dia 06/02, já conta com 3% de intenção de votos do povo brasileiro. Contudo, as pesquisas qualitativas de diversos institutos, indicam que Fernando Collor crescerá nos palanques Brasil afora e de forma muito forte, bem como, por meio de sua participação nos debates, no rádio e na televisão. A sorte foi lançada: em Arapiraca e no Senado da República!

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

A ELEIÇÃO DA OAB /DF EM 2012

Advogados do Senado se entusiasmam com a eleição da OAB-DF no dia 26 de novembro

O advogado Joberto Mattos Santana.



Por Walter Brito

As três chapas que disputam os 30 mil votos dos advogados de Brasília, avançam a passos largos rumo aos votos dos advogados que trabalham no Senado.
Ontem (13), visitamos os 81 gabinetes dos senhores senadores da República, quando falamos com os advogados que têm direito a voto no pleito do dia 26 de novembro para a OAB-DF. Visitamos também os diversos departamentos daquela Casa, onde trabalham os advogados inscritos na OAB-DF e em condições de votos. Naquela oportunidade, fizemos uma enquete para que pudéssemos orientar o advogado de Brasília, referente ao desempenho das três chapas no Senado Federal. Vale ressaltar que o nosso trabalho, foi feito de forma independente, sem compromisso com nenhuma das chapas e nossos entrevistados responderam de forma espontânea. Esclarecemos ainda que as chapas concorrentes são: Eu quero mais Ordem, que tem como o candidato a presidente Ibaneis Rocha; Questão de Ordem, de Francisco Caputo; A Ordem é Respeito, cujo candidato a presidente é o doutor Paulo Roque.
Lembramos ainda que não foi feito nenhuma pesquisa eleitoral e sim uma enquete, quando os advogados daquela Casa, demonstraram entusiasmo e vontade de votar no dia 26 de novembro para as três chapas que disputarão a OAB-DF, inclusive, tecendo comentários positivos aos três concorrentes, elogiando a maioria das vezes o alto nível da campanha, realizada sem baixarias e com propostas concretas a favor dos advogados.
 
O saudoso Marechal João Baptista de Mattos.


Entrevistamos Joberto Mattos de Sant' Anna (foto) que além de advogado inscrito na OAB-DF é formado em Jornalismo e Odontologia , trabalhando há diversos anos no Senado Federal.
Vale destacar que ao se aproximar o dia 20 de novembro, Data Nacional na Consciência Negra, nos referimos por meio desta matéria, ao único Marechal negro brasileiro, que foi avô de nosso entrevistado. Sant’Anna disse se sentir honrado por ser neto do Marechal João Baptista de Mattos (Foto), que tornou-se símbolo de resistência, conquistas e vitórias da negritude, nas Forças Armadas e em todo o País. Referente ao pleito no dia 26 de novembro, ele disse acreditar "que a OAB-DF voltou aos velhos tempos, fazendo uma campanha de alto nível, quando disputam 3 grandes juristas, pelos quais tenho o maior respeito. Entretanto, fui presidente do Diretório Acadêmico de Direito do UniCeub; e um dos meus contemporâneos e apoiadores, foi o hoje, advogado de sucesso, o Dr. Ibaneis Rocha. Desde os tempos acadêmicos, o Ibaneis foi um homem inovador, de ideias marcantes, fiel aos seus princípios e aos amigos. Por isso, no dia 26 de dezembro, vou retribuir o apoio que sempre tive dele ainda dentro do campo universitário. Vou votar com muito orgulho na competência do advogado Ibaneis Rocha, que certamente continuará dignificando a classe dos advogados” .

http://www.cristalpesquisas.com.br/news/advogadosdaoab.php
 

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A brasileira Cecy Calacina lançará em Portugal: Amor Narcísico



Por: Walter Brito
A psicóloga brasileira Cecy Calacina, radicada em Portugal onde cursa mestrado na área da psicologia clínica, com foco no pensamento europeu, referindo inclusive, às tensões e conflitos da união europeia. Ela lançará no dia 13 de janeiro de 2018 em Lisboa - Portugal, o livro: “Amor Narcísico”.
Trata-se de uma das mais completas obras, que mostra com exclusividade, o indivíduo infiel no relacionamento amoroso e outros comportamentos narcísicos. A obra analisa com profundidade, o marido ou a esposa infiel, cujo foco se dá na manipulação narcísica, onde os que traem usam de subterfúgios e mentiras altamente refinadas, que só quem é diagnosticado como um narcisista tem a capacidade e a audácia de fazê-lo.
Entre as personalidades citadas sobre o narcisismo escrito pela competente psicóloga Cecy, destaca-se o homem da propaganda de Adolf Hitler, o jornalista Joseph Goebbels e o líder Chinês Mao Tsé-Tung, entre outros.


Cecy Calacina é profunda conhecedora do comportamento humano, com experiência adquirida no seu consultório durante muitos anos na cidade de Manaus, onde foi servidora pública, inclusive na área do psicossocial. Além disso, a psicóloga em sua juventude plena, ingressou no governo do Amazonas, onde colaborou em diversos setores, tais como: educação, serviço social e segurança pública. Após 30 anos de trabalho ela se aposentou em 2016. Morando na cidade de Coimbra e antenada com as demais cidades ligadas à cultura na Europa, a autora de Amor Narcísico está confiante no importante evento de lançamento que está sendo preparado pela sua editora, a Chiado, uma das mais importantes de todo Continente Europeu.
A referida editora acredita no trabalho da brasileira e ao que tudo indica, poderá transformá-la numa escritora de sucesso de vendas, quando seus livros certamente serão best seller no mundo da psicologia moderna.
É importante lembrar o momento atual, no qual as redes sociais tornam os leitores cada vez mais exigentes, especialmente no que diz respeito aos problemas do comportamento humano. Neste sentido, segundo pesquisas, mais de 70% das doenças são provenientes do cérebro, por isso os profissionais da psicologia, da psicanálise e da psiquiatria, se preocupam de forma muito forte com os viventes humanos do Planeta Terra.
O lançamento do livro Amor Narcísico ocorrerá no dia 13 de janeiro de 2018, às 16HOO. Endereço: Rua de Cascais, número 53, Alcântara – 1300 – 260 – Lisboa/Portugal.

Contato com a editora: com.chiadoeditora@gmail.com

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Coração Piauiense se unirá por Brasília!



Por: Walter Brito

O saudoso jornalista, escritor e intelectual Otto Lara Resende, dizia que mineiro só é solidário no câncer. O povo paulistano não tem muito tempo para jogar conversa fora, trabalha muito e as pessoas mal se cumprimentam no elevador. Contudo, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP é o ponto de unidade da burguesia e endinheirados de São Paulo quatrocentão. A cidade tem 463 anos de história e é o carro-chefe da indústria brasileira. Na seara política, o PRP e o PSDB foram os partidos que mais uniram as elites daquele estado da federação. No Rio de Janeiro, apesar
de ser uma cidade abençoada por Deus e o mundo inteiro admira sua beleza natural, parte das elites da política está na cadeia, e por ironia do destino, as classes sociais mais unidas são representadas pelos trabalhadores de favelas, cuja população é de aproximadamente 1 milhão e 800 mil moradores em quase 800 favelas.
Em Brasília, a fama da cidade é ter uma população fria e tal qual São Paulo, os seus moradores também não se cumprimentam no elevador. Por outro lado, tem uma juventude privilegiada, onde existem muitos empregos, o maior número de concursos públicos do país, a renda per capta é alta, o Fundo Constitucional generoso, no total de R$ 12,8 bilhões em 2017, que pagou despesas com saúde, educação e segurança pública. Certamente os referidos privilégios permitem a cidade oferecer as melhores políticas para as novas gerações. Os jovens são aguerridos e se unem nas redes sociais para organizar manifestações e já se mobilizam no sentido de eleger os próximos governantes da cidade.

A DESUNIÃO DA OPOSIÇÃO VIABILIZA ROLLEMBERG

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB), tinha rejeição altíssima nos meses de julho e agosto. A partir de setembro sua rejeição vem diminuindo a cada dia e sua aceitação como pré-candidato à reeleição melhorou muito, pois chegou a ter na pergunta estimulada deste ano, 0,5% de intenção de votos e já passa dos 5% de intenção de votos para o Palácio do Buriti, segundo o instituto de pesquisas O Parlamento/Cristal Pesquisas, com vistas ao pleito de 2018. Portanto, apesar da rejeição ainda grande, Rollemberg não está morto politicamente, como costuma dizer seus principais opositores. No dia 01 de novembro de 2017, a tucana do bico grande, Maria de Lourdes Abadia, tomou posse como secretária poderosa do governo Rodrigo Rollemberg, o que quebrou as pernas do também tucano Izalci Lucas, que chegou a liderar a corrida para o Palácio do Buriti.

FRAGA JOGA TOALHA E DISPUTARÁ O SENADO

O amigo e colega de faculdade do presidenciável Bolsonaro, o governadorável Alberto Fraga (DEM),
já se conforma em disputar uma vaga para o Senado, pois percebeu que o jogo para o Buriti será muito pesado para ele, apesar de ter sido o deputado federal mais votado em 2014 com 155.056 votos, correspondente a 10,66% dos votos válidos.

WANDERLEY TAVARES SONHA COM CIDADE INTELIGENTE

O evangélico Wanderlei Tavares, presidente do PRB em Brasília e afilhado do poderoso bispo carioca Manuel Ferreira, sonha com o apoio de Cristovam Buarque (PPS) e também do senador Antonio Reguffe, sem partido, para levantar voo rumo ao Buriti. A tese defendida pelo evangélico para chegar ao poder, é a discussão do projeto Cidade Inteligente, sob o comando da tecnologia de ponta israelense.

O PIAUÍ TEM A CHAVE DE TUDO

A meu ver, a união verdadeira para unir a oposição em Brasília e apresentar uma alternativa de poder está nas mãos de três piauienses, dois deles de nascimento e um de coração, respectivamente: Jofran Frejat (PR), Alírio Neto (PTB) e Ibaneis Rocha (PMDB).

IBANEIS ROCHA ZEROU O JOGO SUCESSÓRIO

Ao se filiar no partido de Ulisses Guimarães, o brasiliense de nascimento e piauiense de coração,
Ibaneis Rocha, zerou o jogo sucessório em Brasília. Ele tem 46 anos de idade, nasceu em Brasília e morou em Corrente do Piauí, dos oito aos 15 anos de idade. O Partido do Movimento Democrático Brasileiro, comandado por Tadeu Filippelli no DF junto com o PP, que também obedece Filippelli,
têm um significativo tempo de rádio e televisão. Ibaneis foi um competente gestor da OAB/DF e conta com 30 mil advogados no seu projeto político, independente do partido que estejam filiados. O PHS tende a ficar com o Ibaneis, como também o PSD de Rogério Rosso. O PDT poderá completar o quinteto, mas depende da discussão nacional que exige palanque em Brasília para Ciro Gomes, candidatíssimo ao Palácio do Planalto pela legenda de Brizola.

APESAR DE LIDERAR PESQUISA:
FREJAT PODERÁ NEGOCIAR

Tirando Reguffe da disputa majoritária em Brasília, este já afirmou aos quatro ventos que não será candidato ao GDF em 2018, o médico e ex-deputado federal Jofran Frejat (PR), 80 anos e nascido em Floriano no Piauí, lidera as pesquisas hoje para o Buriti. Entretanto, o próprio Jofran sabe que uma candidatura majoritária precisa ter grupo e nem sempre, quem está na frente dez meses antes do pleito é o que vence. Jofran tem gratidão para com o ex-governador Arruda, do qual teve apoio efetivo na eleição de 2014, inclusive sua vice foi Flávia Arruda, esposa do ex-governador. A dupla teve 428.522 votos, correspondente a 27.97% dos votos válidos. No frigir dos ovos, alguns analistas pensam, que Jofran poderá optar pelo Senado.

ALÍRIO NETO AINDA NÃO DECOLOU

O ex-deputado Alírio Neto, delegado aposentado, 57 anos de idade e nascido na cidade de Piripiri
no Piauí é pré-candidato ao GDF pelo partido de Roberto Jefferson, o PTB. Com o fraco desempenho
nas pesquisas, Alírio percorre dia e noite todo o DF com o objetivo de viabilizar sua candidatura. Quando Ibaneis se filiou ao PMDB, imediatamente e sem pestanejar, o piauiense foi à casa de Arruda e convidou Flávia Arruda para ser sua vice. Nem ela e muito menos o seu esposo deram sim para o
petebista. Com a indefinição, Alírio procura um novo rumo, que certamente é a união dos três conterrâneos!

A UNIDADE NA DIVERSIDADE POR UM NOVO PROJETO

As sandálias da humildade são propícias para unir os piauienses que construíram suas histórias em
Brasília e almejam devolver a cidade um pouco que a capital de todos os brasileiros ofereceu a eles. Os três sabem que o sucesso da oposição ao governo Rollemberg depende deles. A disputa majoritária tem lugar para todo mundo: governador, vice-governador, duas vagas para o Senado e quatro suplências de senador. A fórmula lógica e democrática para encontrar a unidade na diversidade será muita conversa entre os três nos próximos meses e uma pesquisa no mês de março, para definir qual é o melhor nome do grupo, o que não precisa ser necessariamente um dos piauienses. Neste sentido, a chave de tudo está na mão deles. A governabilidade de Brasília tem jeito e depende de uma boa gestão. As cabeças pensantes da capital brasileira podem se unir antes do estado ficar ingovernável. Otto Lara Resende estava certo, quando sugeriu por meio de suas sábias palavras, que o mineiro teria que se unir enquanto tinha saúde!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

É claro que Alexandre Baldy quer disputar o governo goiano em 2018

Baldy quer ser governador em 2018 sim!

Por: Walter Brito
As elites, em qualquer lugar do mundo, almejam o poder político. No Estado de Goiás não é diferente. O senador Ronaldo Caiado (DEM) é oriundo das elites ruralistas e lidera as pesquisas para governador com mais de 30% de intenção de votos, enquanto que Zé Eliton não passa de 10%. Este, nos últimos anos, pensa que também pertence às elites goianas; entretanto, os endinheirados goianos ainda não o aceitam como tal. Bem diferente do menino pobre que saiu da cidade de Palmeiras do interior de Goiás e se enfronhou no gabinete do então governador Henrique Santillo e por lá se fez. Menino esperto e atento, risonho e bem-apessoado, rapidamente Perillo foi percebendo como se comporta a elite, pois ele queria participar dela.

Caiado é oriundo das elites ruralistas de Goiás

O palmeirense teve seu primeiro cargo de importância como presidente do PMDB jovem. Elegeu-se deputado estadual, deputado federal e foi o azarão da eleição de 1998, quando cercado pelas elites da direita derrotou Iris Rezende.
Depois de quatro mandatos como governador, Perillo garantiu o seu lugar cativo na elite goiana. Ele tenta galgar voos maiores e chegar à elite brasileira. Recentemente, ameaçou ser o presidente nacional do PSDB e perdeu o posto para Geraldo Alckmin, que provou que além de ser da elite política, ele é mais parecido que Marconi com os poderosos da elite econômica do país.
Zé Eliton, oriundo da cidade de Posse, em Goiás, tem a mesma pretensão de Marconi Perillo; contudo, Alexandre Baldy, que já é amigo de Michel Temer, inclusive é o poderoso ministro das Cidades, certamente se acha mais parecido com as elites nacionais que o próprio Marconi.

Zé Eliton sabe que pode ser substituído no decorrer da campanha por Perillo!


Por isso, tudo indica que ele almeja ser o Perillo de 1998 e tornar-se o comandante-mor da principal cadeira do Palácio das Esmeraldas.
Caiado, que lidera as pesquisas, deve estar com as barbas de molho. Ele, como elitista de proa, conhece bem como funciona o jogo da casta que comanda o Brasil há mais de 500 anos. Baldy, como ministro do governo Temer, terá todas as facilidades para unir a maioria dos partidos de oposição e ainda tomar alguns de Caiado. Como Marconi é um animal político, poderá pensar duas vezes se seu candidato para governador em 2018 será mesmo Zé Eliton ou Baldy. Ou até mesmo optar pelo seu mais ferrenho adversário nos últimos 20 anos, Iris Rezende Machado.

Iris Rezende poderá voltar aos velhos tempos - Perillo tem tudo para indicá-lo como tertius em 2018


O leitor, que de um modo geral não é bobo, sabe que para ocupar cargo majoritário no Brasil, o candidato tem que pertencer e parecer que é um elitista, com raríssimas exceções!

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

O PECADO CAPITAL DE WILLIAM WAACK!



Por: Walter Brito

A imprensa é o quarto poder na maioria dos países do mundo, o que é importante, pois a informação de qualidade é fundamental para o bem da humanidade. Em alguns lugares como o Brasil, a imprensa tem tanto poder que o ex-presidente Collor foi apeado da principal cadeira do Palácio do Planalto com dez jornais nacionais, veiculados pela então poderosa TV Globo. Os anos se passaram, o mundo evoluiu e a Nova Ordem Mundial democratizou a comunicação, onde em nosso país cada um que tem um celular tornou-se um comunicador importante. Prova disso ocorreu recentemente e para todo mundo ver, quando a ex-todo-poderosa televisão dos Marinho tentou derrubar o presidente Temer com mais de cem jornais nacionais mostrando o fundo do poço em que estaria o seu governo, enquanto o presidente brasileiro continua no cargo e, ao que tudo indica, cumprirá seu mandato até o final. Se a Globo continuasse poderosa como no passado, Luciano Huck já estaria na frente do Lula para presidente do Brasil.


A BUZINA DO NEGÃO INCOMODOU WAACK

Waack pediu desculpas, mas: Inês é morta!
O racismo é sem dúvidas um dos males de nossos tempos e não para de crescer! O importante jornalista Willian Waack, comunicador de proa e com folha de trabalho em diversos países do mundo, inclusive na Alemanha e nos Estados Unidos, mostrou que também é racista e não esconde de ninguém. Em vídeo que circula pelo mundo o autor de As Duas Faces da GlóriaCamaradasMister You BagdadO Livro Das Grandes ReportagensPolônia: A Crise de 500 dias que abalou o socialismo, entre outros artigos e reportagens importantes, mostra-se, infelizmente, como racista do primeiro time da elite brasileira. Waack disse em alto e bom som, referindo-se a um cidadão afro-americano, que teria usado a buzina de seu carro e o incomodado na hora de seu trabalho: “É coisa de preto mesmo, né?”, disse o jornalista.
Os países mais racistas do mundo, segundo as estatísticas são: Estados Unidos da América, Reino Unido, Austrália, Ruanda, Japão, Alemanha, Israel, Rússia, Paquistão, Índia, entre outros. Como se vê, o Brasil estrategicamente não se encontra entre os dez países mais racistas do planeta Terra, contudo, cientistas da questão são categóricos em afirmar que nosso país é efetivamente um dos mais racistas, inclusive disputando de igual para igual com os Estados Unidos da América. Apesar de o racismo aqui ocorrer de forma sofisticada e às escondidas, o mal nefasto que corrompe a humanidade é muito poderoso entre nós. Nesse sentido, alguns jornalistas com os seus dons dados por Deus evoluíram e se tornaram verdadeiros ícones do mundo material e muitos se sentem tão poderosos que se esquecem de que somos a união do mundo material com o espiritual. Vaidosos, desconhecem que determinados valores importantes, como o que diz que somos iguais, independentemente de nossas etnias, não são levados a sério. Claro, o jornalista de sucesso William Waack sabe de tudo isso, inclusive de que a raça humana é uma só! Nos estúdios da TV Globo, em frente à Casa Branca em Washington, nos EUA, ele fingiu que não sabia desta questão importante para os humanos.Com todo conforto e pensando que ninguém conheceria um dia sua verdadeira face, Waack mostrou-se por inteiro, apesar de imaginar que estaria protegido pelo Deus que ele pensa que é!


A IRA E A SOBERBA PARA WAACK CONHECER
Esperamos que ele conheça também os pecados capitais e, de forma especial, a Ira e a Soberba. Veja aí meu caro colega jornalista William Waack, o que diz a Wikipédia sobre os dois itens acima:
Ira
Conhecida também por cólera, é o sentimento humano de externar raiva e ódio por alguma coisa ou alguém. É o forte desejo de causar mal a outrem e um dos grandes responsáveis pela maior parte dos conflitos humanos no transcorrer das gerações. Sua virtude é o Perdão.
Soberba
A soberba (do latim superbia) é conhecida também como vaidade ou orgulho. Está associada a orgulho excessivo, arrogância e vaidade. A Soberba consiste em ser superior a todos, isso fez com que Lúcifer se sentisse mais alto que o próprio Deus.

Em paralelo, segundo o teólogo São Tomás de Aquino, a soberba era um pecado tão grande que ficava fora de série, devendo ser tratada em separado dos restantes pecados e merecendo atenção especial. Aquino tratava a questão da vaidade como sendo um pecado em separado, mas a Igreja Católica decidiu unir a vaidade à soberba, acreditando que neles havia um mesmo componente de vanglória, o que levaria ao seu estudo e ao seu tratamento conjuntos.

DEPOIMENTOS CONTRA WAACK
Artistas da TV Globo se mostram conscientes do racismo no Brasil e se posicionam contra a atitude de William Waack. Veja o que disseram os atores: Cris Vianna e Bruno Gagliasso:
Cris Vianna

A afrodescendente Cris Vianna defende sua etnia














"Quando o racismo 'velado' é REVELADO. É racismo sim", escreveu a atriz, que usou ainda as hashtags #racistasnãopassarão #racismoécrime.

Bruno Gagliasso e a filha Titi
Bruno Gagliasso que é pai de Titi, de seu casamento com Giovanna Ewbank, – e já denunciou comentários racistas feitos contra a filha nas redes sociais -, concordou com Cris. "Racista e machista. #Nãopassarão" comentou ele.

DIA DE ZUMBI E OS NEGROS NO PODER

Zumbi é símbolo de lutas, conquistas e vitórias da comunidade negra brasileira
No próximo dia 20 de novembro completam-se 322 anos que Zumbi dos Palmares foi assassinado, quando defendia o seu povo da escravidão. Mais de três séculos se passaram e as elites do país continuam a pensar que o povo negro que derramou seu sangue para a construção desta nação não tem nenhum valor. Está claro em quase todas as administrações dos governos brasileiros que, apesar da participação fundamental e importante da negritude na construção do país, os seus descendentes nunca participaram de forma efetivada administração do Brasil. Uma das raras exceções foi a presença de Joaquim Barbosa na presidência da Suprema Corte de nosso país.

Quando Joaquim Barbosa tomou posse como presidente do Supremo, os primeiros a cumprimentá-lo foram os seus familiares, sob o comando de sua mãe, a Dona Benedita da Silva. Ao lado, os atores globais Regina Casé, Milton Gonçalves.

Com o advento das redes sociais, eis que surge uma luz no fim do túnel, e a ainda poderosa TV Globo poderá tornar-se uma grande aliada para ajudar a acabar com o racismo nos quatro cantos de nosso país. Antenada com a força que as redes sociais detêm, a televisão dos Marinho não pensou duas vezes, quando viu a verdadeira face de William Waack mostrada mundo afora. Demitiu sem pestanejar o todo-poderoso Waack. Que a lição fique para todos aqueles que se escondem atrás do racismo disfarçado, muito em voga no Brasil, inclusive entre os nossos jornalistas mais importantes!
Lembrando o pensamento do filósofo inglês, John Stuart Mill, quando disse o seguinte: “A sociedade, quando faz as vezes do tirano, pratica uma tirania mais temível do que muitas espécies de opressão política, pois penetra nos detalhes da vida e escraviza a alma. Por isso é necessária a proteção contra a tirania da opinião e do sentimento dominantes.”
 Neste sentido, convido os brasileiros e brasileiras que se posicionam contra o racismo, para um grande buzinaço, nos quatro cantos do país, no dia 20 de novembro de 2017 (Dia de Zumbi), às 10 horas da manhã. Vamos dizer não ao Waack e aos racistas de plantão!