.Prefeitura de Hidrolândia

.Prefeitura de Hidrolândia

terça-feira, 9 de junho de 2015

Celina Leão acusa áreas do governo de criminalizar o Poder Legislativo


Depois de deixar a base de apoio ao governo Rodrigo Rollemberg (PSB), a presidente da Câmara Legislativa, Celina Leão (PDT), tem seus alvos, os comissionados do último governo, presentes em todo os órgãos, segundo ela. Para ela, é impossível que a gestão avance com a continuidade deles, na maioria petistas, e esclarece que seu rompimento não foi motivado por busca de espaço. “O problema  não são os cargos, mas sim a gestão”, disse. A distrital reclama também da criminalização do Legislativo, partida do governo. “Todas as vezes que a Câmara se posicionou de forma independente, o que ouvimos, por parte da Casa Civil principalmente, foi que eles não fariam loteamento do governo. Os distritais nunca pediram isso. Então, era uma tentativa de desmoralizar a Câmara Legislativa”, afirmou. Ela nega que exista turbulência dentro do PDT, após a decisão tomada na semana passada. “É uma tentativa de tirar a crise do Buriti e mandar para o PDT”, ironizou.  

Com essa nova configuração da Câmara Legislativa, o governo conseguirá aprovar os projetos de aumento de impostos?

Na minha visão, não muda nada. A minha posição de independência não é algo que vá atrapalhá-lo. Ele tem toda a condição de fazer a articulação política necessária para a aprovação desses projetos. Eu não serei um impedimento ou alguém que vá criar dificuldades, até porque meu papel não é esse. Sempre falei que entendo o tamanho da minha responsabilidade com a cidade.

A senhora era apontada como uma articuladora importante do governo. O que precisa ser feito para manter o diálogo com o Legislativo?

O governador precisa conversar com muita transparência, tratar os deputados com muito respeito. Essa é uma das reclamações dos deputados. Eu acredito que houve um processo de tentar criminalizar a classe política do Distrito Federal. Algo muito negativo. Colocações feitas contra a classe política não eram, nem são, verdadeiras. Até porque a Câmara sempre se mostrou muito à altura de resolver os problemas da cidade. Quando havia agendas sérias, chamamos sessões na sexta-feira. Isso nunca aconteceu antes, mas fizemos, pois o projeto visava pagar professores. Sempre respondemos a altura, porque é um poder que tem de representar a vontade da população. Quando se fala em temas mais polêmicos, como aumento de imposto, tentamos manter o equilíbrio entre o que é realmente necessário para o Estado se manter de pé sem afetar o bolso do contribuinte. A Câmara não tem que falar “sim” para o governador em todos os momentos. Mesmo sendo uma defensora do projeto de governo, eu disse “não” junto com a Câmara, por não ser a vontade da população, por não entender que fosse o momento. Foram projetos como o aumento do IPTU, da extinção das administrações. É absolutamente normal sentir a vontade da população. Agora, eu acho que o governador Rodrigo Rollemberg tem que melhorar o diálogo, o trato com os deputados, de se comprometer em resolver alguns problemas da cidade. Temos deputados que são ligados a determinadas áreas e pedem soluções. Quando um deputado de Sobradinho pede uma ponte para a cidade, isso não tem que ser entendido como um pedido do parlamentar, mas sim da sociedade.

O governador não tinha uma equipe própria formada, para insistir em manter petistas?

Quando se aposta em um novo projeto, você quer a mudança. Quando reclamamos que cargos estratégicos estão com petistas, queremos dizer que esse projeto não deu certo. A gestão que passou foi marcada por corrupção, afundou os cofres públicos e não deu certo. Pedir mudança é um recado muito claro que estamos mandando. A gente percebe também, sempre coloquei isso de maneira muito clara, que existe um secretário que quer estar à frente das decisões reservadas apenas ao governador. Isso é muito ruim. Não se pode ter em nenhuma gestão alguém que seja mais forte que o chefe do Executivo. Não se pode deixar perder a força da imagem, até porque política é feita de gestos. Acho que uma sequência de erros aconteceu. A estratégia de isolar o governador da classe política e da população foi horrível. Precisamos de secretários técnicos, mas também de nomes com prática na gestão. É claro que temos excelentes secretários, capacitados, a fim de ajudar, de resolver, mas tem muita coisa que desde o começo foi modelada errado. O governador foi sendo distanciado desde o período de transição, que era comandado por só uma pessoa. Só um grupo  se tornou governo. Rollemberg precisa refletir sobre isso rapidamente. São erros que prestigiam a gestão do PT. O pior é ver que essas pessoas estão dentro do centro de comando do governo e criticando o próprio governo no plenário. Antes de sair da base, eu dei um aviso claro, me posicionei como presidente. Lembrei que existe gente que participou do outro governo em várias secretarias. . O problema é que ninguém tinha coragem de falar. Eu fui a voz de muita gente. Agora, respeito muito o Rodrigo, que é uma pessoa muito bem intencionada, quer o bem de Brasília, pegou a cidade em uma dificuldade financeira muito grande. Isso não pode ser desprezado, mas eu acho que é preciso um despertar.

Quando a senhora fala de criminalização da classe política, é algo que parte do Executivo?

Sim. Todas as vezes que a Câmara se posicionou de forma independente, o que ouvimos, por parte da Casa Civil principalmente, foi que eles não fariam loteamento do governo. Os distritais nunca pediram loteamento. Era uma tentativa de desmoralizar a Câmara Legislativa. Uma demonstração clara disso foi a questão das administrações. Fizemos audiências públicas e quem esteve lá foi a sociedade, reivindicando, falando que não aceitava a extinção, que as administrações foram conquistadas com muita luta e contribuíram para melhorias. Foi possível perceber que a medida não tinha aprovação e aí recebemos por parte do Poder Executivo a acusação de que seria uma tentativa de manter as estruturas. É muita irresponsabilidade. Não estamos brincando de ser deputado. Todo mundo que está na Câmara tem uma história. Bons ou ruins, foram aprovados pelas ruas. Então não dá para ouvir esse tipo de discurso. A Câmara Legislativa tem inaugurado uma nova forma de fazer política, tem sido bem mais altiva, e sem depreciar o Poder Executivo.

Como está sendo a aceitação do PDT à sua saída da base?

Meu partido foi muito solidário conosco. Tive um apoio muito importante. Conversei com os senadores Cristovam e Reguffe. Eu entendo que o Reguffe sempre manteve uma posição de independência e teve chateações grandes em alguns momentos, mas não apenas com o Rodrigo, mas com a falta de compromisso  de parcelas do governo com o eleitor. Ele sempre foi uma pessoa que honrou as propostas de campanha e pediu que o governo não aumentasse os impostos acima da inflação e pediu a retirada dos tributos de remédios. Isso não aconteceu e o Reguffe nunca escondeu essa insatisfação. Ele me ligou dizendo que respeitava minha opção e sempre foi uma pessoa que dava muita atenção ao seu eleitor. Já a fala do senador Cristovam eu acho que foi em um momento de emoção. Respeito muito a figura dele. Vamos conversar amanhã (hoje). O que eu percebo é uma tentativa de tirar a crise do Buriti e mandar para o PDT. Mas nós estamos unidos, porque o partido sempre vai se respeitar. Se ficarmos na independência eu, Reguffe e Cristovam, enquanto o restante quiser ficar na base, nós entendemos. Essa crise não é nossa, é do outro lado da rua.
Seria mais difícil deixar de apoiar o governo em caso de avaliação mais positiva? 
Seria exatamente a mesma, caso eu não concordasse. O que a gente percebe é que, se o governo estivesse acertando nos pontos que eu tenho colocado com toda a franqueza e que eram seus compromissos, estaria com uma avaliação mais positiva e não estaria errando. É uma situação grave e todo mundo concorda que é grave. Eu fui muito importante na campanha do Rodrigo, muito mesmo. Fui muito leal. Eu fui a única deputada eleita que trabalhei na campanha dele. Era só eu que fazia as defesas dele na tribuna da Câmara, que ajudava nos projetos. Quando se percebe tudo isso se desconstruir e ficar muito longe do que o eleitorado espera, você precisa se posicionar. Se não, as pessoas começam a pensar que estou conivente com tudo isso.

O governo ainda não tem uma cara? Ou a cara é essa mesmo?
Acho que o governo ainda não conseguiu deixar uma marca ou mostrar qual a marca que quer deixar. É uma grande missão. Ele não consegue deixar por conta da crise que recebeu. Por exemplo, o Agnelo queria deixar uma marca na saúde, mas ele sabia desde o primeiro ano o que queria. Não conseguiu, mas já tinha a meta. Cristovam quis deixar a marca da educação, o Arruda, das obras, o Roriz, da habitação. Cada governador tinha uma meta. Sempre perguntei qual seria nossa meta. Não podemos ser o governo que paga servidor, porque isso é nossa obrigação, é o básico.

Se há tantos petistas no governo, como volta e meia governador e secretários reclamam da herança maldita? Isso faz sentido?

(risos) É uma coisa de maluco. É complicado porque a minha percepção é que essas pessoas estão dentro do governo para que ele não dê certo. O secretário de Educação deu entrevista dizendo que pagou as creches, mas foi desmentido por elas. No entanto, o ordenador de despesas foi coordenador de campanha da Rejane Pitanga. Ele desmoralizou o secretário. Se eu fosse governador, ele seria exonerado no dia seguinte, nem teria ficado no meu governo. Rejane é uma petista histórica. Eu respeito o trabalho deles, mas eles não ganharam a eleição. Acho que essas pessoas queriam ficar no projeto, que não ganhou, mas eles continuaram. E eles vão defender o próprio ponto de vista toda vez que vier à tona, quando perguntarem “quem assinou?”. Para fazer um limpa, abrir uma auditoria, dar uma olhada em tudo que aconteceu, não havia condições de manter todas essas pessoas lá.

A senhora pensa em uma candidatura majoritária para 2018?

Não (risos). Não penso nisso. Isso foi uma notícia plantada por palacianos, em uma tentativa de desmoralizar nossa relação com o Rodrigo. Quem é o maluco que se candidata quatro anos antes da eleição? Até para descredenciar a gente. É muito mais fácil dizer isso do que tirarem os petistas do governo. O problema não sou eu, mas eles. É uma loucura isso, é até engraçado.
Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário